28 junho 2015

Parábola do Joio e do Trigo






SUMÁRIO: 
1. Introdução. 
2. O Texto Bíblico. 
3. A Semente e o Campo. 
4. Vigilância. 
5. Deixar o Joio Crescer junto com o Trigo. 
6. Explicação da Parábola (por Mateus) sob a Ótica Espírita. 
7. A Influência Espiritual. 
8. Conclusão. 
9. Bibliografia Consultada.

1. INTRODUÇÃO

O objetivo deste estudo é, com o auxílio da literatura espírita, ampliar a nossa capacidade de interpretar o texto desta parábola, influenciada pelo simbolismo e interposição da dogmática católica.

2. O TEXTO BÍBLICO

"Propôs-lhe outra parábola, dizendo: o reino dos céus é semelhante ao homem que semeia boa semente no seu campo; mas, dormindo os homens, veio o seu inimigo, e semeou joio no meio do trigo, e retirou-se. E quando a erva cresceu e frutificou, apareceu também o joio. E os servos do pai de família, indo ter com ele, disseram-lhe: Senhor, não semeaste tu no teu campo boa semente? Por que tem então joio?

E ele lhes disse: um inimigo é quem fez isso. E os servos disseram: queres pois que vamos arrancá-lo?

Porém ele lhe disse: Não; para que ao colher o joio não arranques também o trigo com ele.

Deixai crescer ambos juntos até à ceifa; e, por ocasião da ceifa, direi aos ceifeiros: colhei primeiro o joio, e atai-o em molhos para o queimar; mas o trigo ajuntai-o no meu celeiro". (Mateus, 13, 24 a 30)

Explicação da Parábola do Joio

"Então, tendo despedido a multidão, foi Jesus para casa. E chegaram ao pé dele os seus discípulos, dizendo: Explica-nos a parábola do joio no campo.

E ele, respondendo, disse-lhes: o que semeia a boa semente é o filho do homem;

O campo é o mundo; e a boa semente são os filhos do reino; e o joio são os filhos do maligno;

O inimigo, que o semeou, é o diabo; e a ceifa é o fim do mundo; e os ceifeiros são os anjos.

Assim como o joio é colhido e queimado no fogo, assim será na consumação deste mundo.

Mandará o filho do homem os seus anjos, e eles colherão do seu reino tudo o que causa escândalo, e os que cometem iniquidade. E lançá-los-ão na fornalha de fogo; ali haverá pranto e ranger de dentes.

Então os justos resplandecerão como o sol, no reino de seu Pai. Quem tem ouvidos para ouvir, ouça". (Mateus, 13, 36 a 43)

3. A SEMENTE E O CAMPO

Jesus utilizava-se de uma figura material conhecida para despertar algum conhecimento de ordem moral. O campo mencionado é a Humanidade. O semeador terá de arrotear o campo para que a semente possa frutificar, ou seja, deverá em primeiro lugar preparar coração daquele que depois irá ouvir a palavra divina. O Espírito Irmão X, em Boa nova, oferece-nos alguns subsídios para um melhor entendimento. Ele diz: "O discípulo da Boa Nova tem de servir a Deus, servindo à sua obra neste mundo. Ele sabe que se acha a laborar com muito esforço num grande campo, propriedade do Pai, que o observa com carinho e atenta com amor nos seus trabalhos. Imaginemos que esse campo estivesse cheio de inimigos: por toda a parte, vermes asquerosos, víboras peçonhentas, tratos de terra improdutiva. É certo que as forças destruidoras reclamarão a indiferença e a submissão do filho de Deus; mas o filho de coração fiel a seu Pai se lança ao trabalho com perseverança e boa-vontade. Entrará em luta silenciosa com o meio, sofrer-lhe-á os tormentos com heroísmo espiritual, por amor do reino que traz no coração plantará uma flor onde haja espinho, abrirá uma senda, embora estreita, onde estejam em confusão os parasitos da Terra; cavará pacientemente, buscando as entranhas do solo, para que surja uma gota d'água onde queime um deserto". (Xavier, 1977, p. 47)

Emmanuel, em Fonte Viva, tece alguns comentários sobre a noção de campo. Ele nos diz: "Transferindo a imagem para o solo do Espírito, em que tantos imperativos de renovação convidam os obreiros da boa vontade à santificante lavoura da elevação, somos levados a reconhecer que o servidor do Evangelho é compelido a sair de si próprio, a fim de beneficiar corações alheios.

É necessário desintegrar o velho cárcere do "ponto de vista" para nos devotarmos ao serviço do próximo.

Aprendendo a ciência de nos retirarmos da escura cadeia do "eu", excursionaremos através do grande continente denominado "interesse geral". E, na infinita extensão dele, encontraremos a "terra das almas", sufocada de espinheiros, ralada de pobreza, revestida de pedras ou intoxicada de pântanos, oferecendo-nos a divina oportunidade de agir a benefício de todos". (Xavier, cap. 64, s.d.p.)

4. VIGILÂNCIA

Diz a parábola que dormindo os homens, o inimigo se apodera do campo. Aqui é um chamamento à vigilância. E precisamos dela em todos os instantes de nossa vida. É pelo descuido do lavrador que a colheita se perde, é pelo descuido do professor que o aluno se torna ocioso, é pelo descuido da educação que os delinquentes juvenis surgem. Assim, para que o bem se conserve e se dilate haverá necessidade de esforço constante.

"É verdade indiscutível que marchamos todos para a fraternidade universal, para a realização concreta dos ensinamentos cristãos; todavia, enquanto não atingirmos a época em que o Evangelho se materializará na Terra, não será justo entregar ao mal, à desordem ou à perturbação a parte de serviço que nos compete.

Para defender-se de intempéries, de rigores climáticos, o homem edificou o lar e vestiu-se, convenientemente. Semelhante lei de preservação vigora em toda esfera de trabalho do mundo. E no serviço de construção cristã do mundo futuro, é indispensável vigiar o campo que nos compete.

O apostolado é de Jesus; a obra pertence-lhe. Ele virá, no momento oportuno, a todos os departamentos de serviço, orientando as particularidades do ministério de purificação e sublimação da vida, contudo, ninguém se esqueça de que o Senhor não prescinde da colaboração de sentinelas". (Xavier, 1972, cap. 132)

Consultar também o capítulo 21, do livro Boa Nova, psicografado por F. C. Xavier.

5. DEIXAR O JOIO CRESCER JUNTO COM O TRIGO

"Quando Jesus recomendou o crescimento simultâneo do joio e do trigo, não quis senão demonstrar a sublime tolerância celeste, no quadro das experiências da vida.

O Mestre nunca subtraiu as oportunidades de crescimento e santificação do homem e, nesse sentido, o próprio mal, oriundo das paixões menos dignas, é pacientemente examinado por seu infinito amor, sem ser destruído de pronto.

Importa considerar, portanto, que o joio não cresce por relaxamento do Lavrador Divino, mas sim porque o otimismo do Celeste Semeador nunca perde a esperança na vitória final do bem...

O joio surge ameaçando o serviço...

... Jesus, porém, manda aplicar processos defensivos com base na iluminação e na misericórdia. O tempo e a bênção do Senhor agem devagarzinho e os propósitos inferiores se transubstanciam.

O homem comum ainda não dispõe de visão adequada para identificar a obra renovadora. Muitas plantas espinhosas ou estéreis são modificadas em sua natureza essencial pelos filtros amorosos do Administrador da Seara, que usa afeições novas, situações diferentes, estímulos inesperados ou responsabilidades ternas que falem ao coração; entretanto, se chega a época da ceifa, depois do tempo de expectativa e observação, faz-se então necessária a eliminação do joio em molhos...

... E, em vista do joio ser atado, aos molhos, uma dor nunca vem sozinha..." (Xavier, 1972, cap. 107)

6. EXPLICAÇÃO DA PARÁBOLA (POR MATEUS) SOB A ÓTICA ESPÍRITA

Na explicação da parábola, o apóstolo Mateus usa as palavras "Anjo", "diabo", "fornalha de fogo" e "ranger de dentes". São termos da teologia dogmática que precisam ser reexaminados sob o ângulo do Espiritismo. Na dogmática católica há alusão ao Céu, ao Inferno e ao Purgatório. Estes termos, de acordo com o Espiritismo, não são lugares circunscritos, uma região fixa no Espaço, mas estados da alma. Nesse sentido, toda e qualquer situação em que nos encontramos podemos estar no céu ou no inferno, pois depende de nossa percepção interior daquilo que se nos apresenta.

Para mais informações, consultar o livro Céu e Inferno, de Allan Kardec.

7. A INFLUÊNCIA ESPIRITUAL

A predominância do maligno faz-nos refletir sobre a influência espiritual de que somos partícipes. Assim:

Vingança, desespero, paixões e desânimo são algumas das causas da fixação mental. Nosso cérebro funciona à semelhança de um dínamo. Dado o primeiro estímulo, interno ou externo, o que passa a contar é a manutenção de nosso pensamento num mesmo teor de idéia. Quanto mais tempo permanecermos num assunto, mais as imagens do tema se cristalizarão em nosso halo mental.

O fenômeno da sugestão mental é oportuno. Emitindo uma ideia, passamos a refletir as que se lhe assemelha. Nesse sentido, somos herdeiros dos reflexos de nossas experiências anteriores, porém, com a capacidade de alterar-lhe a direção. Acionando a alavanca da vontade, poderemos traçar novos rumos para a libertação de nosso espírito.

8. CONCLUSÃO

Vigilância e oração atenuam as investidas do maligno. Através delas, pomo-nos em sintonia conosco mesmos, tornando-nos cada dia mais auto-conscientes. Percebendo claramente nossas reações do cotidiano, criamos condições para arrancar o joio sem prejudicar a colheita do trigo.

9. BIBLIOGRAFIA CONSULTADA

XAVIER, F. C. Boa Nova, pelo Espírito Humberto de Campos. 11. ed., Rio de Janeiro, FEB, 1977.

XAVIER, F. C. Vinha de Luz, pelo Espírito Emmanuel. 3. ed., Rio de Janeiro, FEB, 1972.

XAVIER, F. C. Fonte Viva, pelo Espírito Emmanuel. Rio de Janeiro, FEB, s.d.p.

São Paulo, abril de 2000


Sérgio Biagi Gregório

18 junho 2015

O QUE É O UMBRAL



Relato do conceituado Prof. Wagner Borges, médium e projetor consciente,  de uma Experiência Extracorpórea ou Viagem Astral (viagem em espírito, sem o corpo) ao Umbral:


Assista o Vídeo

O Umbral funciona como região destinada a esgotamento de resíduos mentais; uma espécie de zona purgatorial, onde se queima a prestações o material deteriorado das ilusões que a criatura adquiriu por atacado, menosprezando o sublime ensejo de uma existência terrena”. Concentra-se, aí, tudo o que não tem finalidade para a vida superior. Exemplo: Vingança, Ódio, Inveja, Rancor, Raiva, Orgulho, Soberba, Vaidade, Ciume, etc. O espírito impregnado com esses sentimentos se encontra intoxicado.

Todas as pessoas se atraem por afinidades e semelhanças. Isto acontece na Terra e no mundo espiritual. Desta forma todas as pessoas com sede de vingança e ódio acabam se atraindo para localizações comuns do outro lado da vida. E juntas as forças mentais dessas pessoas acabam construindo todo o ambiente. Fica fácil perceber que um local repleto de pessoas emocionalmente desequilibradas que estão unidas pelo pensamento não é um local bonito e agradável.

Desta forma o Umbral nada mais é do que o reflexo dos pensamentos, desejos e vontades de inúmeras pessoas semelhantes naqueles sentimentos negativos que acabo de listar acima. Estes sentimentos intoxicam a alma e dificultam ou impedem que estas pessoas recebam ajuda de parentes, amigos e espíritos superiores. Na Terra só é possível ajudar as pessoas que querem receber ajuda, que aceitam a ajuda, e para ser ajudado você precisa primeiro reconhecer o erro. Lá do outro lado é a mesma coisa. Se você sofre por ter dentro de si o sentimento de vingança, só pode ser curado deste sofrimento se conseguir perceber que precisa de ajuda. Somente nesta situação é que você consegue ser ajudado a sair do Umbral.
_____________________________________________

UMBRAL – Texto muito bem detalhado e instrutivo, favor ler até o fim.

Parte1

Segundo o Novo Aurélio – O Dicionário da Língua Portuguesa(1), a palavra umbral foi tomada do espanhol e significa soleira, limiar, entrada, ou seja, a faixa mínima de piso que se acha entre as laterais de uma porta, portão ou passagem, e serve de limite entre um cômodo e outro numa construção.

Em 1943, André Luiz, o médico que se tornou conhecido psicografando livros pela mediunidade de Francisco Cândido Xavier, trouxe a público o significado dado à palavra na colônia espiritual “Nosso Lar”, onde passou a viver alguns anos depois de seu desencarne.

Em seu livro também chamado Nosso Lar(2), ele conta como ouviu falar do Umbral pela primeira vez, quando o enfermeiro Lísias lhe dava as primeiras informações sobre a colônia e descreveu-o como região onde existe grande perturbação e sofrimento e para a qual a colônia dedicava atenção especial. Vejamos o que diz o enfermeiro:

“Quando os recém-chegados das zonas inferiores do Umbral se revelam aptos a receber cooperação fraterna, demoram no Ministério do Auxílio; ...”

 E mais adiante, acrescenta:

 “... A não ser em obediência a esse imperativo, o Governador vai semanalmente ao Ministério da Regeneração, que representa a zona de “Nosso Lar” onde há maior número de perturbações, dada a sintonia de muitos dos seus abrigados com os irmãos do Umbral. ...”

Não foi sem razão que André Luiz teve seu interesse despertado para essa região chamada Umbral. Sem entender bem do que se tratava, voltou a insistir com Lísias para saber mais detalhes e, no capítulo seguinte, narra novo diálogo com o enfermeiro, em que este lhe deu maiores detalhes desta região do astral, não sem antes perguntar como ele poderia não conhecer o Umbral se havia ficado lá por tantos anos. Vejamos o que diz Lísias:

 “O Umbral – continuou ele, solícito – começa na crosta terrestre. É a zona obscura de quantos no mundo não se resolveram a atravessar as portas dos deveres sagrados, a fim de cumpri-los, demorando-se no vale da indecisão ou no pântano dos erros numerosos.”

 Mais adiante, diz também:

 “... O Umbral funciona, portanto, como região destinada a esgotamento de resíduos mentais; uma espécie de zona purgatorial, onde se queima, a prestações, o material deteriorado das ilusões que a criatura adquiriu por atacado, menosprezando o sublime ensejo de uma existência terrena.”

 E em outro parágrafo, Lísias complementa:

 “O Umbral é região de profundo interesse para quem esteja na Terra. Concentra-se aí tudo o que não tem finalidade para a vida superior. ... Representam fileiras de habitantes do Umbral, companheiros imediatos dos homens encarnados, separados deles apenas por leis vibratórias. (grifo nosso)... Lá vivem, agrupam-se, os revoltados de toda espécie. ... Pois o Umbral está repleto de desesperados. Por não encontrarem o Senhor à disposição dos seus caprichos,..., essas criaturas se revelam e demoram em mesquinhas edificações. “

Enfim, desde então, a palavra Umbral, escrita com letra maiúscula, como o fez André Luiz no livro Nosso Lar, tomou significado especial, principalmente entre os espíritas, designando a região espiritual imediata ao plano dos encarnados, para onde iriam e onde estariam todos os espíritos endividados, perturbados e desequilibrados depois da vida.

Com esta conotação, a palavra difundiu-se muito e transformou-se num quase sinônimo do Inferno e do Purgatório dos católicos, com localização geográfica, tamanho, etc., conceito este que o próprio Allan Kardec, codificador do Espiritismo, já havia desmitificado em suas obras, mais de 80 anos antes, especialmente em O Livro dos Espíritos(3), nas seguintes perguntas:

“1011. Um lugar circunscrito no Universo está destinado às penas e aos gozos do Espíritos, segundo o seus méritos?

 “- Já respondemos a essa pergunta. As penas e os gozos são inerentes ao grau de perfeição do Espírito. Cada um traz em si mesmo o princípio de sua própria felicidade ou infelicidade. (grifo nosso). E como eles estão por toda a parte, nenhum lugar circunscrito ou fechado se destina a uns ou a outros. Quanto aos Espíritos encarnados, são mais ou menos felizes ou infelizes segundo o grau de evolução do mundo que habitam.

“1012. De acordo com isso, o Inferno e o Paraíso não existiriam como os homens representam?

“- Não são mais do que figuras: os Espíritos felizes e infelizes estão por toda a parte. Entretanto, como já o dissemos também, os Espíritos da mesma ordem se reúnem por simpatia. (grifo nosso). Mas podem reunir-se onde quiserem, quando perfeitos.”

Como vemos pelas respostas dos espíritos a Kardec, o Inferno e o Paraíso não passam de estados de espírito, condição moral de sofrimento ou felicidade a que estão sujeitos os espíritos por suas próprias atitudes, pensamentos e sentimentos durante a vida encarnada e depois dela. E é bom lembrar que espíritos somos todos, encarnados e desencarnados, vivendo cada um o seu inferno e o seu paraíso particulares. O que nos diferencia dos espíritos desencarnados é apenas o fato de estarmos temporariamente presos a um corpo denso de carne. De resto, somos absolutamente iguais a eles, com desejos, opiniões, frustrações, alegrias, defeitos e qualidades.

Na verdade, a figura geográfica e espacial do Inferno dos católicos serviu de molde aos espíritas para que melhor visualizassem o que seria o Umbral. Assim como o Inferno da Igreja Católica foi tomado emprestado e adaptado do Inferno dos povos não cristãos (chamados pagãos), para compor os mitos de Inferno e Paraíso.

Pelo que dizem os espíritos a Kardec, podemos concluir que cada um de nós traz, em si mesmo, o inferno e o paraído que merece, de acordo com o que pensa, sente e faz durante sua vida espiritual, incluídos aí também os períodos em que nos encontramos encarnados.

Se não existe Inferno ou Purgatório, por que haveria de existir o Umbral com localização, medidas, coordenadas, etc.?

Tudo o que existe no plano espiritual é criado pela mente dos espíritos encarnados e desencarnados. Sempre que pensamos, nossa mente dispara um processo pelo qual somos capazes de moldar as energias mais sutis do universo, criando formas que correspondem exatamente àquilo que somos intimamente.

Extremamente apegados ao mundo material, nada mais natural que, mesmo estando fora dele, queiramos tê-lo novamente quando desencarnados. É aí que nossa mente entra em ação, criando tudo o que desejamos ardentemente. E várias mentes, desejando a mesma coisa juntas, têm muito mais força para criar.

A grande diferença é que, no mundo físico, podemos embelezar artificialmente o nosso ambiente e a nossa aparência, enquanto que no plano astral isso não é possível, pois lá todos os nossos defeitos, mazelas, falhas, paixões, manias e vícios ficam expostos em nossa aura, exibindo claramente quem somos como consciências e, não, como personalidades encarnadas.

Parte 2

No Umbral, tudo o que está fora de nós é consequência do que está dentro. Tudo o que existe em nosso mundo pessoal e nos acontece é reflexo do que trazemos na consciência. Assim, o Umbral nada mais é que uma faixa de frequência vibratória a que se ligam os espíritos desequilibrados, cujos interesses, desejos, pensamentos e sentimentos se afinizam. É uma “região” energética onde os afins se encontram e vivem, onde podem dar vazão aos seus instintos, onde convivem com o que lhes é característico, para que um dia, cansados de tanto insistirem contra o fluxo de amor e luz do universo, entreguem-se aos espíritos em missão de resgate, que estão sempre por lá em trabalhos de assistência.

Alguns autores descrevem o Umbral como uma sequência de anéis que envolvem e interpenetram o planeta Terra, indo desde o seu núcleo de magma até várias camadas para fora de seus limites físicos.

O que acontece é que os espíritos se reúnem obedecendo, apenas e unicamente, à sintonia entre si e acabam formando anéis energéticos em torno do planeta, ou melhor, em torno da humanidade terrena, pois ela é parte da humanidade espiritual que o habita e é também o foco de atenção de todos os desencarnados ligados a ele.

As camadas descritas em alguns livros são mais um recurso didático para facilitar o entendimento e o estudo do mundo espiritual, pois não há limites precisos entre elas, assim como não há divisas exatas entre um bairro e outro de uma mesma cidade, ainda que eles sejam de classes sociais bem diferentes.

É exatamente o que nos diz Lancellin, em seu livro Iniciação - Viagem Astral(4), pela psicografia de João Nunes Maia:

“As pessoas, como os espíritos desencarnados, se reúnem por simpatia, por atração daquilo que pensam e sentem, pois se sentem felizes por estarem com os seus iguais, tanto na Terra como no mundo espiritual.”

Esse mesmo mecanismo de sintonia é o que cria regiões “especializadas” no Umbral, como o Vale dos Suicidas, descrito por Camilo Castelo Branco, pela psicografia de Yvonne A. Pereira, em seu livro Memórias de um Suicida(5). Espíritos com experiências de suicídio, vivendo os mesmos dramas, sofrimentos, dificuldades, agrupam-se por pura afinidade e formam regiões vibratórias específicas.

Assim também acontece com faixas energéticas ligadas às drogas, ao aborto, aos distúrbios psíquicos, às guerras, aos desequilíbrios sexuais, etc.

Em seu livro Driblando a Dor(6), pela psicografia de Irene Pacheco Machado, o espírito Luiz Sérgio, jovem desencarnado em acidente de automóvel na década de 70, conta o trabalho de sua equipe junto a grupos de drogados e traficantes.

Em outro de seus livros, Deixe-me Viver(7), pela psicografia da mesma médium, ele fala mais especificamente da situação dos espíritos abortados e aborteiros, vivendo lado a lado na faixa vibratória de seus atos.

No livro O Abismo(8), de R. A. Ranieri, orientado por André Luiz, vamos encontrar uma descrição dramática dos espíritos que vivem ligados ao subsolo do planeta, em condições terríveis de degradação moral e perispiritual.

O Prof. Wagner Borges, pesquisador de projeção astral e fundador do IPPB – Instituto de Pesquisas Projeciológicas e Bioenergéticas, também nos traz diversos relatos e psicografias importantes sobre o assunto. Em seu livro Viagem Espiritual(9), em duas mensagens orientadas pelo espírito Rama, ele descreve imagens do Umbral, vistas pelos olhos de um padre desencarnado dedicado a ajudar e resgatar espíritos que vivem ali.

No livro O Céu e o Inferno(10), de Allan Kardec, encontramos também diversos relatos de espíritos desencarnados que se apresentam pela psicofonia e descrevem as condições em que se encontram no mundo espiritual. Ali, além do relato de vários espíritos perturbados, vamos também encontrar relatos de espíritos relativamente felizes, alguns apenas algumas horas após o seu desencarne, demonstrando que céu e inferno são condições espirituais íntimas, alcançadas por merecimento, que acompanham o espírito onde quer que ele esteja e se mantêm e intensificam pela sintonia com outros espíritos nas mesmas condições.

Apesar de toda perturbação e desequilíbrio dos espíritos que vivem no Umbral, não devemos nos iludir. Existe muita disciplina, organização e hierarquia nos ambientes umbralinos. É o que nos mostra, por exemplo, o espírito Ângelo Inácio, pela psicografia de Robson Pinheiro, em seu livro Tambores de Angola(11), e o espírito Nora, pela psicografia de Emanuel Cristiano, em seu livro Aconteceu na Casa Espírita(12).

Vemos ali o quanto esses espíritos podem ser inteligentes, organizados, determinados e displinados em suas práticas negativas, criando instituições, métodos, exércitos e até cidades inteiras para servir aos seus propósitos.

É preciso que compreendamos que todos nós já estamos vivemos numa dessas “camadas” de Umbral que envolvem a Terra e que todos nós criamos o nosso próprio Umbral particular sempre que contrariamos as leis divinas universais, as quais podem ser resumidas numa única expressão: amor incondicional.

Em seu segundo livro, Os Mensageiros(13), André Luiz conta a história de vários moradores de “Nosso Lar” que passaram pelas “zonas inferiores”. Todos eles saíram da colônia cheios de esperanças, de amigos, de auxílio e orientação. Eram, portanto, espíritos relativamente esclarecidos, amparados, iluminados. Muitos deles passaram anos na colônia estudando antes de reencarnar com missões definidas na mediunidade. No entanto, mesmo assim, vários eles se deixaram levar por seu lado ainda imperfeito e falharam novamente. Todos voltaram para “Nosso Lar” depois de desencarnados, mas não sem antes passar pelo Umbral, para drenar energias negativas acumuladas numa encarnação de descaso e irresponsabilidade com a própria consciência e a de outros.

Isso é necessário para o bem do próprio espírito, a fim de que ele possa se livrar de energias espirituais altamente tóxicas que desequilibram e bloqueiam sua mente para energias mais sutis e saudáveis, e também perturbariam os ambientes mais equilibrados, como o de colônias como “Nosso Lar”, caso fossem levados para lá nesse estado.

É importante notar que não se trata de punição ou banimento, mas de tratamento justo, necessário e amoroso. Sim, o Umbral é criação de amor e justiça divinos, onde espíritos desviados e profundamente desequilibrados encontram um meio onde conseguem viver e, ao mesmo tempo, aprender, enquanto se recuperam.

Muitos perguntam se não é pior o espírito ficar tanto tempo convivendo com tantas energias negativas semelhantes às suas próprias, agravando e intensificando seu próprio desequilíbrio. No entanto, não podemos nos esquecer que, muitas vezes, os espíritos desencarnam em tal estado de alheamento e perturbação, que não resta outro recurso a não ser deixar que a natureza siga seu curso e faça o trabalho necessário de depuração, colocando-os com seus semelhantes para que, juntos, filtrem, uns dos outros, as energias que os envenenam, e para que, observando as atitudes uns dos outros, possam compreender onde erraram e queiram reiniciar o processo de melhoria interior.

 Parte 3

Mas o Umbral não é um mundo só de desencarnados. Muitos projetores conscientes (pessoas encarnadas que fazem projeções astrais conscientes), narram passagens por regiões escuras e densas, semelhantes às descrições de André Luiz em Nosso Lar.

Todos os encarnados desprendem-se do corpo físico durante o sono e circulam pelo mundo espiritual. Esse é um fenômeno absolutamente natural e inerente a todo espírito encarnado. Uma grande parte continua a dormir em espírito, logo acima de onde está descansando o corpo físico. Outros limitam-se a passear inconscientes pelo próprio quarto ou casa, repetindo, mecanicamente, o que fazem todos os dias durante a vigília. E há os que saem de casa e vão além.

Dentre estes, uma pequena parte procura manter uma conduta ética elevada, 24h por dia, tentando sempre melhorar-se como pessoa, buscando sempre ajudar e crescer, e, muitas vezes, é levada ao Umbral em missão de resgate ou assistência, trabalhando com espíritos mais preparados, doando suas energias pelo bem de outros espíritos, como também informa Wagner Borges, em seu livro Viagem Espiritual II(14), dizendo:

“O sono dá ao espírito encarnado a oportunidade do desprendimento temporário do seu envoltório carnal. E nisto reside a sua grande chance de se sentir útil perante a vida, pois, fora do corpo, ele é levado por seus amigos espirituais às pessoas necessitadas, físicas e extrafísicas, onde a sua energia conciencial é de grande ajuda.

“Mediante processos específicos de transmissão de energia, os amparadores extrafísicos usam o projetor como doador de energia para a pessoa enferma (na maioria das vezes já desencarnada e sem se aperceber disso).”

Mas há um grande número dos que conseguem sair de seu próprio lar durante o sono e vão para o Umbral por afinidade, em busca daquilo que tinham em mente no momento em que adormeceram, ou obedecendo a instintos e desejos inferiores que, embora muitas vezes não estejam explícitos na vigília, estão bem vivos em sua mente e surgem com toda força quando projetados. Essas pessoas, muitas vezes, acabam sendo vítimas de espíritos profundamente perturbados ligados ao Umbral, que as vampirizam e manipulam, em alguns casos chegando até a interferir em sua vida física, criando problemas familiares, doenças, perturbações psicológicas, dificuldades profissionais e financeiras, etc.

Esse é o caso da jovem viciada Joana, narrado no livro O Transe(15), também da dupla Ângelo Inácio e Robson Pinheiro. É também o que acontece com Erasmino, no livro Tambores de Angola.

Vemos, assim, que o Umbral, de que falam André Luiz e tantos outros autores encarnados e desencarnados, está mais próximo de nós, encarnados, do que muitos de nós imaginam. E, o que é mais importante, somos nós mesmos que ajudamos a manter esse mundo denso com nossos pensamentos e sentimentos menos elevados. Somos nós que damos aos espíritos perturbados, que se encontram ligados a essa faixa vibratória, grande parte da matéria-prima de que se valem para sutentar seu mundo de trevas e sofrimento.

 O Umbral está em todo lugar e em lugar nenhum, pois está dentro de quem o cria para si mesmo e acompanha o seu criador para onde quer que ele vá.

Toda vez que nos deixamos levar por impulsos de raiva, agressividade, ganância, inveja, ciúmes, egoísmo, orgulho, arrogância, preguiça, estamos acessando uma faixa mais densa desse Umbral. Toda vez que julgamos, criticamos ou condenamos os outros, estamos nos revestindo energeticamente de emanações típicas do Umbral. Toda vez que desejamos o mal de alguém, que nos deprimimos, que nos revoltamos ou entristecemos, criamos um portal automático de comunicação com o Umbral. Toda vez que nos entregamos aos vícios, à exploração dos outros, aos desejos de vingança, aos preconceitos, criamos ligações com mentes que vibram na mesma faixa doentia e estão sintonizadas com o Umbral.

O Umbral só existe, porque nós mesmos o criamos, e só continuará existindo enquanto nós mesmos insistirmos em mantê-lo com nossos desequilíbrios.

É por essa razão que Jesus nos aconselha a vigiar e orar, indicando que, para termos paz de espírito e equilíbrio, é necessário estarmos sempre atentos aos próprios impulsos e ligados a mentes iluminadas que possam nos inspirar sentimentos e pensamentos elevados.

O Umbral é nosso também, faz parte do nosso mundo, e não podemos renegá-lo ou simplesmente ignorá-lo. Assim como não podemos também fingir que não temos nada a ver com ele. Lá estão também algumas de nossas próprias criações mentais, de nossos sentimentos inferiores, de nossos pensamentos mais densos. E lá vivem espíritos divinos como nós, temporariamente desviados do caminho de luz em que foram colocados por Deus.

Por isso é importante que não vejamos o Umbral como um lugar a ser evitado ou uma idéia a não ser comentada, mas como desequilíbrio espiritual temporário de espíritos como nós, que, muitas vezes, só precisam de um pouco de atenção e orientação para se recuperarem e voltarem ao curso sadio de suas vidas.

É comum encontrarmos médiuns e doutrinadores que têm medo ou aversão ao trabalho com espíritos do Umbral, evitando atendê-los, ignorando-os friamente, ou tratando-os como criminosos sem salvação, que não merecem qualquer compaixão ou respeito. Estas pessoas esquecem-se de um dos preceitos básicos da espiritualidade: a caridade.

É preciso estender a mão espiritual a estas entidades para que possam sair dessa sintonia e possam também colaborar com o trabalho gigantesco de resgate há ser feito nas regiões umbralinas. Além de retirar espíritos dessa sintonia, os trabalhos de desobsessão e orientação a desencarnados de grupos mediúnicos bem orientados, equilibrados, livres de preconceitos, prestam um grande serviço à própria humanidade terrena, na medida em que recuperam muitos obsessores e assediadores que lá vivem e se ocupam de perseguir espíritos encarnados.

Independentemente disso, todos nós podemos contribuir individualmente para a melhoria de toda a humanidade, encarnada e desencarnada, inclusive do Umbral, emitindo pensamentos de luz, amor, paz e harmonia por todo o planeta e tudo o que nele existe. Da mesma forma que contribuímos para a existência do Umbral, podemos contribuir para reduzir o sofrimento que existe nele, bem como a influência negativa que o mesmo exerce sobre os encarnados.

Os habitantes do Umbral não são nossos inimigos, mas espíritos que precisam de compreensão e ajuda. Não são irrecuperáveis, mas perderam o rumo do crescimento espiritual. Não estão abandonados por Deus, mas não sabem disso e desistem de procurar orientação. Não são diferentes de nós, mas tão semelhantes, que vivem lado a lado conosco, todos os dias, observando nossos atos, analisando nossos pensamentos, vigiando nossos sentimentos, prestando atenção às nossas atitudes.

E, se não queremos ir ao Umbral por afinidade, que nos ocupemos de nos tornarmos seres humanos melhores, mais dignos, mais éticos, 24h por dia. Desse modo, nossa passagem pelo Umbral será sempre na condição de quem leva ajuda sem medo, sem preconceito e sem sofrimento, e não de quem precisa de ajuda para superar seus próprios medos, preconceitos e dores.

(Autora - Maísa Intelisano em artigo para a edição no. 16, ano 2, da revista Espiritismo e Ciência, da Editora Mythos)

Bibliografia citada:

 1. Novo Aurélio – O Dicionário Eletrônico da Língua Portuguesa – Lexikon Informática e Editora Nova Fronteira

 2. Nosso Lar – Francisco Cândido Xavier (médium) e André Luiz (espírito) – FEB

 3. O Livro dos Espíritos – Allan Kardec – LAKE

 4. Viagem Astral – Iniciação ¬– João Nunes Maia (médium) e Lancellin (espírito) – Fonte Viva

 5. Memórias de um Suicida – Yvonne A. Pereira (médium) e Camilo Castelo Branco (espírito) – FEB

6. Driblando a Dor – Irene Pacheco Machado (médium) e Luiz Sérgio (espírito) – Recanto

 7. Deixe-me Viver – Irene Pacheco Machado (médium) e Luiz Sérgio (espírito) – Recanto

 8. O Abismo – R. A. Ranieri (médium) – orientação de André Luiz (espírito) – Fraternidade

 9. Viagem Espiritual – Wagner Borges (médium e projetor) – Yogananda, Rama, Ramatis e Aïvanhov (espíritos) – Universalista

10. O Céu e o Inferno – Allan Kardec – LAKE

11. Tambores de Angola – Robson Pinheiro (médium) e Ângelo Inácio (espírito) – Casa dos Espíritos

12. Aconteceu na Casa Espírita – Emanuel Cristiano (médium) e Nora (espírito) – CEAK

13. Os Mensageiros – Francisco Cândido Xavier (médium) e André Luiz (espírito) – FEB

14. Viagem Espiritual II – Wagner Borges (médium e projetor) e autores diversos (espíritos) – Universalista

15. O Transe - Robson Pinheiro (médium) e Ângelo Inácio (espírito) – Casa dos Espíritos

 Bibliografia complementar sugerida:

1. Pérolas do Além – Francisco Cândido Xavier (médium) e Emmanuel (espírito) – FEB

2. Obreiros da Vida Eterna – Francisco Cândido Xavier (médium) e Emmanuel (espírito) – FEB

3. Mãos Estendidas – Irene Pachedo Machado (médium) e Luiz Sérgio (espírito) - Recanto

4. Além da Matéria – Robson Pinheiro (médium) e Joseph Gleber (espírito) – Casa dos Espíritos

5. O que Encontrei do Outro Lado da Vida – Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho (médium) – espíritos diversos – Petit

6. Diálogo com as Sombras – Hermínio C. Miranda – FEB

7. Histórias que os Espíritos Contaram – Hermínio C. Miranda – LEAL

8. O Guardião da Meia-Noite - Rubens Sarraceni (médium) e Pai Benedito de Aruanda (espírito) Madras

21 maio 2015

Corrente de Intervenção da Aliança Galática e Confederação - 21/05/2015




Saudações, irmãos da Terra.


Aqui quem voz escreve é ASHIRION de Sirius, membro da interligação entre a Confederação e a Federação de Sirius, a serviço do Comando de Resgate e despertar da humanidade.

Recentemente os acontecimentos no palco político e militar estão colocando a estrutura social e econômica do vosso mundo cada vez mais numa condição e rota de complicações no cenário mundial para os próximos anos. Recentemente o palco de equilíbrio militar entre norte-americanos e russos foi superado consideravelmente pelos russos, deixando em situação delicada e temerosa a tão soberba e arrogante postura norte-americana. O que acaba por inserir no palco político e industrial questões delicadas no gerenciamento mundial e dos interesses que estão ainda sendo controlados entre as três maiores superpotências que são EUA, China e Rússia, disputando a liderança mundial para 2020 com supremacia em muitos aspectos, que incluem a tecnologia eletrônica e reversa e suas derivações secretas ainda para o público.

Partindo dessa questão e devido à solicitação de várias entidades da Terra desde o plano astral do vosso planeta, tem sido questionada a Primeira Diretriz* e se não seria possível uma intervenção da frota da Aliança Galáctica ou dos Merkabas da Confederação na Terra. A questão não está apenas relacionada à Primeira Diretriz, meus amados filhos e irmãos, mas na situação psíquica e emocional da humanidade que não tem ainda na sua maioria a capacidade para aceitar a existência de vida muito além da sua capacidade existencial, não apenas humana, mas de outras formas de vida, muitas consideradas negativas pela sua aparência física.

Para que essa situação seja real para iniciar uma intervenção, necessitamos de pelo menos 10% da população humana pedindo a intervenção das equipes do Arcanjo Miguel e de suas falanges, para iniciar um processo mais intenso. Para isso, solicito que então seja realizada uma corrente planetária através dos interessados na solicitação mundial de intervenção das equipes do amado Arcanjo Miguel, que é um dos nomes que vocês conhecem pelas antigas escrituras hebraicas.
Esta solicitação tem dois aspectos que devem ser cuidados, pois já foi previsto que isso iria ocorrer quando a situação estivesse mais delicada na vossa sociedade.

O vosso planeta já está bem habitado há vários anos, pelo menos nos últimos 60 anos, por diversos grupos estelares que residem na Terra com o consentimento dos governos ocultos e secretos, em troca de poder e tecnologia reversa. Esses grupos não na maioria, mas em um percentual significativo, têm interesses na pesquisa e extração de recursos genéticos e naturais da Terra e da humanidade, e estão entre os grupos que poderão aparecer em parceria com o Sinistro Governo Secreto para se apresentar como falanges de MIGUEL, acabando por manipular ainda mais a humanidade.

Esta situação só poderá ser contida e evitada, se cada ser que realize a solicitação esteja com o seu coração sincronizado na PAZ INTERIOR. Do contrário, será enganado numa eventual simulação das forças sinistras, que não querem perder o poder sobre a humanidade.

Portanto, para realizar esta corrente é necessário antes uma mudança interna da humanidade, para poder estabelecer a frequência necessária para o contato com os seres HARMÔNICOS da Aliança Galáctica e das equipes Cristicas da Confederação.

Esta mudança exige não apenas RETO PENSAR E RETO AGIR, mas acima de tudo o apoio de suas equipes espirituais que estão relacionadas ao Anjo da Guarda ou Ancoramento da CQE, para estabelecer um maior equilíbrio mediúnico nas pessoas para prepará-las para o contato com as verdadeiras falanges superiores e não pelo engodo que deverá surgir em muitas situações futuras, sustentado e apoiado pelos governos falidos e desacreditados.

Portanto, meus amados, para que seja realizado este procedimento além dos 10% da população humana ativa, é necessária uma preparação interna para o que está por vir dentro das mudanças no palco político, econômico e no poder mundial na parte militar e governamental.

Essa mudança já está planejada há muito tempo e todos vocês vão ter que se adaptar a ela, de forma a transcender muitos conceitos e transmutar outros na mudança de poder que ainda vão ter pela frente, independentemente de haver ou não uma intervenção externa de qualquer forma extraterrestre na sua sociedade. A mudança já começa gradualmente à medida que vocês estejam mais acessíveis no setor sensorial para a questão de vida além da vossa realidade.

Bom, amigos, este tema ainda vai dar muito o que falar e vou ficar na observação, para gradualmente podermos explicar os diversos tópicos que vão ser levantados pelos leitores no decorrer do tempo e dentro das possibilidades do escrevente canalizador, iremos responder às suas dúvidas e reclamações.

Na Paz do vosso Coração,

Eu Sou ASHIRION de Sirius Alpha.

Através de Rodrigo Romo, Campinas

20/05/2015


* Primeira Diretriz: A Aliança Galáctica, suas naves, membros e aliados, não poderão interferir nas escolhas e no desenvolvimento normal de um planeta, cultura ou sociedade.

Matéria  Relacionada 
(em Espanhol)


(Em Portugês)
Como um Su-24 russo paralisou destróier americano

16 maio 2015

Mensagem de Ashtar - A Reconciliação Mundial - 16/05/2015



Saudações da Luz!

Que a Paz do Cristo estejam convosco corações amados!

Felicitações a todos vós pelo divino encontro de ontem, no qual foram passadas algumas instruções de grande importância para o advento que ocorrerá em breve sobre o vosso planeta.

Devem prosseguir em vossas missões terrenas de forma disciplinada, mas antes de tudo mantenham a consciência lúcida usando o senso de discernimento em todas as vossas atitudes e praticando em cada ato, a compreensão de que são todos irmãos, filhos do Pai. A Luz é para todos vós, pois todos vós um dia viestes da própria Luz.

Esta compreensão fará criar um campo imenso de ação positiva que é o que nós esperamos de vós. As ações que criarem a partir de agora devem estar contido dentro do propósito divino do Plano. Esta é a missão de todos.

Há muito tempo estão aguardando este momento. Há muito tempo que ansiaram pela nossa presença em vosso meio de forma física e materializada. Mas muito teve que ser feito antes de tudo viesse à superfície, onde vossas consciências ainda permaneciam nas sombras e teriam mais danos que benefícios caso a nossa presença fosse feita antes da hora.

A nova consciência é uma onda de energia que se iniciou de forma ativa algum tempo atrás, e foi preciso que aos poucos tomassem ciência da nossa atuação nos planos internos para depois, compreenderem a nossa ação feita em vosso plano físico. Sem essa compreensão, suas mentes entrariam em colapso. O método da consistência, do efeito desta corrente contínua de informações, somadas em ações desenvolvidas junto a vós, com as vossas participações, precipitariam o processo de despertar em massa de todos os trabalhadores que se encontravam dispersos pela superfície de vosso planeta.

Como almas guerreiras, assumiram suas condições de águias neste grande processo de mudanças no planeta, onde mergulharam nas mais profundas camadas das sombras para resgatar a Luz nestes mundos existenciais, das quais a humanidade terrena não tinha conhecimento. Esta foi a coragem que tanto pedíamos a vós. E venceram.

Sem essa atuação conjunta entre nós, amadas águias, o antigo holograma não poderia ser desfeita. Então se essa velha egrégora – criada há centenas de milhares de anos – permanecesse ativa, levaria a humanidade para o abismo, segundo as profecias difundidas em vosso mundo.

Foram dois longos anos de intermináveis batalhas nos mundos internos, no qual o verdadeiro apocalipse ocorreu. Não seria no vosso plano físico que isso ocorreria e sim, nos planos internos onde a irmandade das trevas sempre obtiveram suas vitórias e consolidavam suas conquista e domínio sobre o mundo visível de todos vós.

Por isso toda a humanidade foi confinada na ignorância e mantida afastada deste conhecimento sobre o que ocorria por trás da realidade ilusória em que submeteram todos vós por tantos milênios.

Essa ignorância por parte desta humanidade foi mantida através da grande mentira que criaram em vossas consciências sagradas e divinas. Criaram as crenças que desviaram dos grandes ensinamentos deixados por vossos mestres e que continham revelações sobre a verdadeira identidade das almas em vossas passagens terrenas.

Nesta renovação que ocorrerá no mundo, a reconciliação será a meta. A guerra entre a Luz e a Treva findou. Não há vitoriosos ou vencidos. A vitória da Luz ocorreu para cumprir um mandato divino. E assim foi feito. Não haverá mais discórdias ou separação. A Lei do Perdão é regida pela Misericórdia e Compaixão do Pai. Levem ao mundo de forma amorosa a mensagem da Paz. É para todos. 

Estivemos sempre atentos a cada um de vós. Assistimos vossas angústias e sofrimentos. Compartilhamos vossas lágrimas no meio das tormentas que desabaram sobre vossas consciências que se perdiam na confusão do mundo. Sentiam a realidade de quem eram, mas não encontravam eco para vossas esperanças. Receberam o nosso amparo em todos os momentos quando isso foi necessário.

Esperávamos até que todos estivessem prontos. Os chamados foram feitos constantemente para que se lembrassem de quem eram e sempre foram. Enviamos sinais a todos em todos os momentos de vossas vidas. Respeitamos a todo instante, o vosso livre arbítrio. O poder de escolha de cada um de vós. Foi parte do nosso acordo divino.

Somente poderíamos intervir em vossas vidas, quando isso estava dentro do acordo firmado entre vós e vossos Eus superiores. A pedido destas consciências superiores, seus mestres internos, é que podíamos atuar diretamente na vida de cada um de vós. Por isso amadas águias, nem tudo o que pensavam que era atuação trevosa, não era. E sim que houve a necessidade de sacudir a vida de uns, para que não se perdessem na escuridão, onde não poderíamos mais ajudar.

E também há muito tempo estamos esperando para comunicar a todos vós que chegou o momento que tanto esperavam.

Estamos no limiar de uma nova era.

Muitas destas almas celestiais, ainda se encontram na dúvida que acarretam imensos conflitos em seus interiores, causando mais dificuldades em transpor a porta que os separam da luz e da sombra. Não há com que se preocupar. Se estão a sair da escuridão é compreensível que terão certas dificuldades de se adequar à claridade que podem cegar momentaneamente seus olhos.

É disso que precisam estar consciente. Todos vós sois da Luz, então a Luz nada de mal poderá causar em vossas consciências e corpos, quando usarem do puro sentimento de que são divinos por essência e bastam atitudes amorosas e a prática constante do uso do discernimento em todos os questionamentos. Sigam o coração.

Todos vós vivestes suas vidas numa dualidade e, sendo dois mundos distintos um do outro precisam apenas do conhecimento de que sendo dois aspectos então a força dominante se equilibram entre si. São apenas 50% de poder para cada emanação destas energias influenciarem as vossas consciências. Então, queridas águias, percebam que na realidade todos vós possuís as duas experiências dentro de si mesmos e sabem para que lado vibrar.

Qual seria então queridas águias, se usarem a força e poder do 1%?

Não é preciso de 99% para estarem na Luz como foram iludidos a pensarem dessa forma. E sim, que podem escolher a margem correta usando a força deste 1%. Esta pequena e ínfima porcentagem tem o significado de potencializar a força para onde vão focar a vossa atenção, e então tudo muda em seu mundo de realidades. Então creiam, que este 1% é o ato de decisão que tomam em vossas vidas. Aí como é dito... Tudo acontece!

É preciso a compreensão sincera, aquele sentimento advinda de vossa alma pura e divina, de que as escolhas foram o vosso aprendizado terreno. Tinham que dominar este aspecto através do conhecimento e da sabedoria adquirida através das experiências humanas. Sem o conhecimento do mundo da sombra, como poderiam compreender o poder da Luz?

Muitos de vós ficais a questionar se estão ou não aptos para o serviço à Luz neste momento. Digo-vos queridas águias que isso não é a questão que os impede de atuarem de forma ativa no mundo. A extensão de um conhecimento não tem o mesmo significado da profundidade deste conhecimento adquirido pela própria vivência individual, onde o aprendizado foi aquele que se dispuseram a aprender. A mais linda história é aquela que cada um possui como lição de vida. Esta é a conquista de cada águia. É única. É pessoal.

A força que possuem todos vós, é a chama ardente que vibra e flameja em vossos corações. É o Amor Crístico.

Nada mais precisam a não ser usar esta força que habita em cada um. Esta força é a essência que os mantém na vossa manifestação em qualquer ambiente ou espaço da criação divina. E é também essa força que criam no vosso mundo interior e exterior onde a existências de vossas consciências se expressam.

Que o nosso reencontro seja para expandir as vossas consciências para além das dimensões onde se encontram. E possam estar conosco nesta nova viagem cósmica onde compartilharemos as nossas experiências dentro da Criação.

Estaremos todos juntos, em breve!

Paz na Terra!
Ashtar.

20 abril 2015

Festival de Wesak - 04/05/2015



É o plenilúnio do signo de Touro. O dia será o primeiro dia de Lua Cheia deste signo. WESAK é uma palavra sânscrita que significa Maio. Dia consagrado ao Amor Universal e ao GRANDE LORD MAITREYA, considerado o próximo Avatar. Neste dia é formada uma configuração astrológica especial, ou melhor, um triângulo esotérico no espaço por onde os Mestres da Grande Hierarquia Espiritual do Planeta e os Orixás emanam Sua Força. É o grande renascimento da Alma.

Neste dia o coração e a mente se tornam mais abertos e receptivos às energias mais elevadas. É quando Maitreya e os Orixás tentam trazer a sua energia para o nosso planeta. Nesta época os Mestres da Grande Hierarquia Espiritual do Planeta e todos os Orixás tentam uma aproximação da aura da Terra. Neste dia, imensas multidões no Oriente aguardam o retorno do Celestial Gautama, o BUDDHA, a cada ano, conforme Ele mesmo prometeu. Gautama surge em seu corpo de Luz no norte da Índia e toda a Hierarquia Espiritual da Terra comparece diante d’Ele.

É a corporificação dos Sete Grandes Chohans ou Mestres Ascencionados. “Este Festival define o caminho espiritual da humanidade que inicia coletivamente um despertar espiritual; despertar que se caracteriza mundialmente por uma busca e aproximação à natureza divina superior do Homem e a volta à Unidade de DEUS simbolizada nas Escrituras Cristãs pela parábola do filho pródigo de retorno à Casa do Pai.

Este Festival é de suma importância tornando as suas cerimônias de grande significado, não só para os servidores e focalizadores engajados nas obras espiritualistas, como também para todos aqueles que se aproximam ou iniciam seus primeiros passos na estrada, na incessante busca da Luz de si mesmo. A celebração do Festival de Wesak é, portanto, uma excepcional oportunidade para a humanidade espiritualmente orientada e que busca atender o chamado interno por vida divina. Isto porque, neste momento, é liberada a Força BÚDDHICA em cada um de nós.

É esta Força que realiza as transformações de desejos em aspiração e que transmuta os desejos em Vontade Superior. Atua regenerando por meio do amor, porque o amor é a grande força atrativa, transformadora, regeneradora e unificadora. É a energia básica de nosso Sistema Solar. É também uma energia e qualidade indispensáveis ao processo de preparação e purificação dos veículos kármicos da personalidade, a transmutar-se no Templo do Senhor(…)”

(…) Extraído do livro “Festivais Religiosos da Nova Era” do Santuário Mata Ki Te Rangui.
RITUAL E PRECEITOS:

O Ritual tem a duração de sete dias. Se inicia três dias antes. São chamados dias de guarda, de renúncia e desapego. Nestes dias tomar banhos ritualísticos com três ervas escolhidas entre aquelas consagradas ao Orixá masculino e feminino do médium.

Os Festivais constituem excepcionais oportunidades de assimilação, expansão e focalização de energias e é um momento em que nos colocamos em sintonia com os Instrutores, Mestres, Seres de Luz e os Orixás. A preparação para o Festival deve se iniciar com a purificação do corpo físico, abstendo-se de carnes, fumo, álcool, drogas e sexo, durante os três dias que antecedem à cerimônia.

Durante o período de preparação, deve-se “guardar as palavras”, evitando-se conversas e palavras inúteis e ociosas, tagarelices e hipocrisias. Dedicar-se ao serviço com amor altruístico e permanecer com sentimentos elevados, nobres e puros, o que significa, simplesmente, manter-se no nível do nosso Eu Superior.

Quanto às roupas, devem ser bastante coloridas, evitando-se as cores escuras e o branco. O dia do plenilúnio é o grande dia. É o FESTIVAL de WESAK. Neste dia evitar comer carne, ou qualquer alimento advindo de um sacrifício. Deve-se ingerir somente dádivas da natureza, principalmente o mel. Tomar o banho ritualístico com alfazema, rosa branca e hibisco (em substituição, pode ser utilizada a essência de lírio, lótus, almíscar ou rosa branca).

A casa deve estar enfeitada com flores; acende-se incensos e tudo deve estar bastante colorido. Usa-se roupas na cor laranja. Durante este dia de trabalhos ritualísticos ocorrem grandes derramamentos de energia que são absorvidas, assimiladas e focalizadas pelos participantes que as acumulam em seus chákras, tornando-se em autênticos magnetos.

Posteriormente estas energias são distribuídas, de forma consciente, em benefício de toda a humanidade. Assim, os três dias que se seguem são chamados dias de distribuição. Devemos expandir e projetar para toda a humanidade a energia em nós armazenada. Procurar manter nestes dias de distribuição, os mesmos preceitos dos dias anteriores. A seguir apresentamos o pensamento para a ocasião:

“Todo aquele que abrir a sua mente à meditação e entrar em contato com o Eu Superior, começará a entender o mistério das Sagradas Energias conhecidas como BÚDDHICAS no Oriente e CRÍSTICAS no Ocidente”.

Copyright © 2012-2013. Por Matéria Sublime e Caminhando com o Mestre Todos os direitos reservados. É dada permissão para copiar e distribuir este material contanto que o conteúdo seja transmitido integralmente e sem alteração, o autor seja creditado, seja distribuído gratuitamente, e esta nota de direitos e o link sejam incluídos.